O CREMATÓRIO MUNICIPAL DR. JAYME AUGUSTO LOPES É MONOPÓLIO DA PREFEITURA DE SÃO PAULO. ESTE PORTAL É PRIVADO E NÃO POSSUI QUALQUER VÍNCULO COM O CREMATÓRIO.
site privado, não possuímos vínculo com o crematório
ATENDIMENTO EMERGENCIAL 24H (11) 3230-1959

Morte súbita: entenda esse acontecimento

de aleah, 11 de janeiro de 2021

De fundo um lindo pôr do sol, como imagem de primeiro plano temos uma ampulhete.

O fim do ciclo da vida é sempre um acontecimento doloroso e difícil de ser superado.

Os motivos que levam à morte podem ser vários, assim como também são os momentos em que ela ocorre.

Um acidente, uma doença, uma violência ou um fato natural, são algumas das razões que levam as pessoas à morte.

Além dessas, há uma específica, que tende a ser um pouco mais incompreensível, chocante e triste: a morte súbita.

Já abordamos no artigo “Como lidar com a morte” algumas ações que podem ser tomadas para amenizar os sentimentos tristes ocasionados pelo falecimento de um ente querido, inclusive em episódios de óbito inesperado.

Abaixo, vamos entender o que é a morte súbita, quais as suas causas, bem como a forma de superá-la!

O que é morte súbita?   

A morte súbita é definida como o óbito que ocorre de forma inesperada e rápida, podendo ter como causas alguma patologia ou violência a qual um indivíduo ficou exposto.

Na maioria das vezes, ocorre nas primeiras horas do dia, podendo acontecer em até 24 horas após o aparecimento de sintomas.

Quais as principais causas?

As causas que levam um indivíduo à morte súbita são variadas.

A mais comum são as doenças cardíacas que não foram diagnosticadas anteriormente, levando ao óbito inesperado.

Acidentes vasculares cerebrais também compõem uma grande parcela das causas da morte súbita em indivíduos.

Em jovens, a morte súbita está associada a doenças, como hemorragias cerebrais ou arritmias cardíacas, mas também pode ser justificada pelo uso de drogas, como ecstasy e cocaína, que tendem a provocar alterações nos batimentos cardíacos e em outras funções do corpo humano.

A morte subida também é constatada em alguns atletas, à medida que eles são portadores de problemas no coração, e sem o conhecimento das patologias, se submetem a esforços intensos, que podem ocasionar o óbito.

Em bebês, a morte súbita não possui uma causa diagnosticada, mas sabe-se que sua ocorrência é mais comum nos três primeiros meses de vida, diminuindo ou cessando após esta idade.

Nas pessoas idosas, o falecimento inesperado tende a ter como causa doenças cardíacas previamente identificadas.

Quem está sujeito a morte súbita?

Os indivíduos mais propensos a ter morte súbita são aqueles que possuem problemas cardíacos, cerebrais, ou que se expõem a agravantes, como uso drogas ou atividades intensas.

Dessa maneira, não há uma idade exata para ocorrer, podendo ser observada nas diversas faixas etárias da vida – bebês, jovens, adultos ou idosos, de acordo com o histórico apresentado e às condições em que estavam submetidos.

Sinais de alerta

Alguns sinais de alerta podem ser observados, a fim de evitar uma possível morte súbita.

Como exemplos principais, têm-se o histórico familiar de morte súbita, dores torácicas durante esforços com a apresentação de palpitações, a ocorrência de tonturas ou perda de consciência na execução de exercícios, ou, ainda, eletrocardiograma anormal.

Como superar uma morte imprevisível?

A morte nunca será um evento fácil de compreender e superar.

A ausência de um ente querido é um vazio que leva tempo para ser preenchido, e a saudade sempre dói.

A morte súbita tende a ocasionar sentimentos de injustiça para com a pessoa que partiu. Uma sensação de que o falecimento não poderia ter acontecido, que não era a hora.

Os familiares e amigos ao redor demoram a se conformar com a perda, repentina e inesperada.

E, nesses momentos, toda palavra de conforto e acolhida são bem vindas.

Não relute

Não tente ser resistente ou relutar contra o fato. Acredite: entregar o ente querido à vida eterna é o primeiro passo para conseguir superar uma perda.

Ninguém terá vida eterna na Terra. Somos meros mortais, passageiros que irão partir, cada um ao seu tempo.

Se um ente querido faleceu, acredite que a missão dele na Terra foi cumprida, e que ele irá recomeçar suas funções em terras divinas.

Ore e medite

A oração tem poderes incríveis, quando feitas de coração.

Não deixe de orar pela pessoa que partiu, e para você mesmo, que ficou. Peça iluminação, sabedoria e forças, e tenha certeza que sua mente e seu coração ficarão mais leves e tranquilos para seguir em frente.

Da mesma forma, a meditação poderá lhe ajudar a buscar o equilíbrio que você necessita para o seu corpo e mente. Destine alguns minutos de seu dia, para buscar conforto e leveza para você.

Tenha amigos ao seu redor

A companhia de amigos, familiares e amores é sempre confortante.

Além de trazer bons momentos de diálogos, risadas, abraços e beijos, estar perto de alguém querido vai trazer o prazer que sua vida necessita para superar uma perda.

A saudade sempre vai existir, mas ela ficará reservada a momentos cada vez menos frequentes, se você dividir a vida com aqueles que lhe fazem bem.

Viva intensamente

A vida é curta demais. Ninguém sabe o tempo de vida que ainda nos resta, portanto, extraia e compartilhe o máximo de sabedoria, alegria, amor e compaixão que puder. No final das contas, a vida terá sido bela na proporção da sua entrega.

×