O que é morte acidental?

O que é morte acidental?

O conceito de morte acidental, como próprio nome já diz, é qualquer morte causada por acidentes. Mas, o que é considerado acidente pode ficar sujeito a interpretação da seguradora, caso o acidentado tenha contratado uma empresa não muito confiável.

De acordo com a definição, a morte acidental é causada por um evento inesperado. Os exemplos mais comuns são os acidentes automobilísticos, que podem envolver um choque entre um veículo e outro, ou mesmo, entre um veículo e uma pessoa.

Tipos de morte acidentais

A morte acidental pode ocorrer nos mais variados tipos de locais. Existem trabalhos que oferecem muitos perigos a vida, principalmente na construção civil. Os trabalhadores muitas vezes têm que subir em andaimes, cavar buracos, manusear ferramentas perigosas etc.

Os trabalhadores devem seguir muitas regras para garantirem sua segurança nos locais de trabalho, principalmente os profissionais que trabalham na parte elétrica de empresas.

Os acidentes de trabalho são muito comuns e, por mais que os trabalhos pareçam seguros, sempre existem os riscos. As mortes acidentais podem acontecer em qualquer ambiente de trabalho.

Morte acidental é ocasionado por eventos súbitos, imprevisíveis

A lista de mortes acidentais é enorme e elas podem acontecer das formas mais inesperadas, como, por exemplo, uma simples queda onde a pessoa bate a cabeça no chão e morre. Essa seria considerada uma morte acidental.

Existe algo mais aleatório do que um raio cair na cabeça de alguém? É muito difícil acontecer, mas não é impossível e isso pode acontecer mais do que imaginamos. Essa também é uma morte acidental.

Segunda a definição jurídica, para fins de seguro, é considerada morte acidental aquelas causadas por eventos súbitos, involuntários e violentos, que resulta na morte do segurado.

Morte natural

A morte natural é normalmente aquela em que o falecimento é caracterizado por uma doença. Mesmo que a morte seja súbita, isso não a define como um acidente, pois a morte já era de alguma forma esperada.

Um bom exemplo disso pode ser um ataque cardíaco, onde a pessoa, muitas vezes, sabe da possibilidade de morte, mas não tem como prever quando pode acontecer e quando ocorre. Sendo assim, nesses casos, a morte acontece subitamente.

Esse tipo de situação pode até ser prevenida com cuidado ou acompanhamento médico, que são imprescindíveis para saúde de qualquer pessoa, em especial para quem sofre de problemas cardíacos.

Mas, como a morte por ataque cardíaco pode ser de alguma forma prevenida, não pode ser caracterizada como morte acidental. Pois, um bom acompanhamento médico, poderia salvar a vida do paciente.

Seguro por morte acidental

Quando se contrata esse tipo de seguro, fica garantido que uma apólice será paga ao beneficiário do titular em caso de morte acidental. Contudo, a morte deve ser comprovadamente acidental, pois só assim o beneficiário terá direito à apólice.

Entretanto, poderão existir possíveis cláusulas que podem excluir a proteção pelo seguro de morte acidental. É importante saber que isso varia de acordo com cada seguro.

Os casos mais comuns de exclusão da proteção pelo seguro de morte acidental são: atos de guerra – todo e qualquer ato de guerra que o segurado participe, incluído terrorismo ou outro tipo de perturbação pública.

A competição veicular ilegal também exclui a proteção do seguro, seja com veículos a motor ou com aeronaves. O uso de material nuclear pode gerar acidentes diretos, como explosões, ou até mesmo, indiretos, com a contaminação radioativa, sendo que isso também exclui a proteção do seguro.

Outros casos em que exclusão da proteção pelo seguro de morte acidental pode acontecer são em casos de ações naturais, tais, como: tufões, erupções vulcânicas, terremotos etc. Além de aos ilícitos e ato perigoso, praticados sem necessidade justificada.

Morte e consciência

Muitos são os debates sobre o que acontece com a consciência depois que o corpo morre. A crença da vida após a morte baseia-se em relatos de experiências ou revelações alegadas por muitas pessoas.

A vida após a morte pode ser considerada como um conceito primordial de praticamente todas as religiões. Os céticos preferem não acreditar na vida após a morte, pois não há dados científicos que a comprove.

De acordo com eles, a consciência e personalidade são, apenas, produtos criados pelo cérebro. Portanto, o cessamento das atividades cerebrais significaria o fim da existência do ser humano.

Mas, hoje em dia, com os avanços da ciência, é possível construir máquinas que possuem consciência artificial. O que pode significar talvez que uma consciência possa ser transportada de um lugar para outro.

O luto

Independente do tipo de morte, o luto é sempre um período muito dolorido na vida das pessoas. Mesmo sabendo que a única certeza da vida é a morte, quando ela se apresenta, é sempre dolorido.

Nos casos de morte acidental é ainda mais complicado, visto que, muitas vezes, a pessoa estava bem de saúde e, de repente, sofre um acidente e morre. É importante pedir ajuda nesses momentos.

Passar por profissionais de terapia pode ser uma ferramenta muito importante para lidar com o momento de luto. Esses profissionais são treinados para os mais variados tipos de sentimentos humanos.

Um bom terapeuta pode ajudar e muito a compreender seus próprios sentimentos para que se possa voltar a vida de uma forma harmoniosa.

Enfim, se você gostou do assunto desse texto, deixem suas sugestões de temas para as próximas matérias. Queremos levar até você os melhores conteúdos e contamos com sua interação!